Vacina contra covid é relacionada a infarto em jovem de 13 anos

Uma notícia relacionando a morte de um menino de 13 anos a vacina contra o covid tomou conta dos principais meios de comunicação. Um grupo antivacina alega, mesmo sem prova, que a morte do menino está ligada com a vacina. 

Vacina

A morte de Samuel Veríssimo, no último dia 19 causou muito espanto e comentários. O Jovem morreu após sofrer com um infarto e as alegações afirmam que isso aconteceu graças a vacina contra o covid. Esse caso aconteceu na cidade de Jaú, interior de São Paulo.

A notícia acabou aparecendo na última segunda, dia 30 e logo de cara a morte do rapaz, foi relacionada a vacina que ele havia tomado alguns dias antes. Depois de algumas pesquisas foi comprovado mesmo que ele havia tomado a vacina, porém, não havia nenhuma relação entre os dois acontecimentos, visto que, segundo informações da saúde do rapaz, ele já sofria com uma doença que atrapalhava seu coração.

Essa questão foi averiguada pela Secretaria de Saúde de Jahu, através da abertura de um inquérito sobre a falsa acusação. No geral, foi negado qualquer envolvimento do imunizante na morte do rapaz.

Vacina

O infarto é algo bem comum no Brasil e segundo alguns dados retirados do DataSUS, apenas em 2019 o Brasil registrou cerca de 95 mil mortes em decorrência desse mal, porém, vale destacar também que o índice entre crianças de 0 a 14 anos é muito baixo. Para se ter ideia, ainda no ano de 2019, dos 95 mil mortos de infarto, apenas 18 se encontravam nessa faixa etária.

Os casos de reação dos imunizantes contra o coronavírus têm se mostrado muito positivos, já que não causam nenhum grande mal à população de forma geral. A grande maioria das vacinas apenas causam um leve incômodo e mesmo aquelas que conseguem causar reações mais sérias, ainda assim não são fatais.

Os grupos anti vacinas, entretanto, acreditam em diferentes hipóteses sobre o que esse imunizante pode fazer com a população. Nesse caso, por exemplo, apesar da morte da criança ter sido comprovada com uma observação mais a fundo dos possíveis problemas que esse jovem possuía, ainda assim existem alguns grupos que se recusam a acreditar nisso.

Vacina

A maioria das vacinas estão sendo ministradas da melhor forma possível, desde o seu envio até a chegada no país de destino às recomendações da OMS vem sendo seguidas. Esse é também um fator crucial para que a contaminação acabe.

As autoridades ainda destacam que é trivial tomar a vacina para que as variantes do vírus não consigam chegar tão longe. Apesar da vacina não ser obrigatória em todo território brasileiro, a verdade é que boa parte da população a aceitou bem.

E como dito, os casos recentes de reações à vacina não são tão graves e até agora não foi noticiado nenhum infarto relacionado, nem mesmo no período de vacinação dos idosos.  Reações como: febre, dor de cabeça ou dores no corpo são comuns, em certos casos até um pouco mais violentas, mas não resultam em nada e passam com pouco tempo após a dosagem da vacina.